11-3077-3647

11-98330-0227

O QUE É DISFUNÇÃO ERÉTIL?

A Disfunção Erétil (DE), também conhecida como impotência sexual, é um distúrbio caracterizado pela dificuldade de se obter e/ou manter, de maneira constante, uma ereção peniana adequada e suficiente para a atividade sexual satisfatória (desde a penetração até a ejaculação).

Milhões de homens em todo o mundo são atormentados por problemas de disfunção erétil (impotência sexual) e por motivos de desinformação, medo ou vergonha de procurar um profissional para o tratamento adequado, acabam comprometendo seus relacionamentos, deixando de usufruir de uma vida sexual saudável e feliz, com qualidade de vida.

A impotência sexual é uma circunstância frustrante que afeta não somente o indivíduo, mas também a parceira, a família, desempenho no trabalho, relacionamento interpessoal, etc.

Atinge 52% dos homens entre 40 e 70 anos, em diferentes graus de intensidade (leve, moderada e severa). Milhões e milhões sofrem deste terrível problema, que pode ser algo realmente devastador na vida de um homem.

A dificuldade para iniciar o tratamento adequado é o grande obstáculo a ser vencido. Portanto, conhecer o problema, vencer o medo e a vergonha e procurar ajuda médica especializada para o tratamento adequado são os principais fatores que o levarão à solução dos seus problemas.

Como ocorre uma ereção?

A ereção é uma reação involuntária em resposta à estimulação ou excitação sexual. O homem não pode ter uma ereção simplesmente porque quer tê-la. O estímulo ou excitação sexual fazem com que o cérebro, os nervos, o coração, os vasos sanguíneos e os hormônios trabalhem juntos afim de aumentar rapidamente a quantidade de sangue fluindo para dentro do pênis. O sangue fica preso dentro das duas câmaras esponjosas (corpos cavernosos) localizadas no corpo do pênis. Ao encherem-se de sangue, as câmaras expandem-se fazendo com que o pênis adquira rigidez e se alongue em tamanho e diâmetro.

Causas da disfunção erétil

Existem muitos fatores que contribuem para a ereção e ejaculação. Estimulantes físicos e mentais, hormônios, transmissões neurais e feedback, contrações e relaxamentos musculares, fluxo sanguíneo cardiovascular, entre outros fatores, todos trabalhando juntos para criar e manter uma ereção peniana adequada até a ejaculação. Quando qualquer um dos processos/fatores envolvidos é interrompido, pode causar a disfunção erétil (impotência sexual).

As causas deste problema podem ser de ordem psicológica e/ou física (orgânica).

Fisiologia da ereção

Para um maior entendimento sobre a disfunção erétil (DE), é importante compreender como o pênis funciona normalmente. O processo de ereção normal inclui as cinco fases seguintes:

Fase 1: Preenchimento inicial com estimulação sexual ou psicológica, neurotransmissores causam o relaxamento da musculatura lisa do pênis, aumentando o fluxo sanguíneo para os corpos cavernosos.

Fase 2: Ereção parcial (Tumescência) - O aumento do fluxo sanguíneo alonga e expande o pênis. As artérias penianas expandem para acomodar o aumento do fluxo sanguíneo necessário para alongar e expandir o pênis.

Fase 3: Ereção completa - O aumento do volume de sangue dentro do pênis é impedido de drenagem, promovendo a expansão do pênis até a ereção completa.

Fase 4: Ereção Rígida – Máxima rigidez é atingida. A glande e o corpo esponjoso ampliam até as veias penianas serem vigorosamente comprimidas. Isso aumenta a tumescência e mantém a máxima rigidez peniana. Emissões de esperma e ejaculação ocorrem.

Fase 5: Retorno à flacidez (Detumescência) - contrações musculares resultam no aumento do fluxo sanguíneo para fora do pênis, diminuindo assim o seu comprimento e espessura até a flacidez.

Problemas podem ocorrer durante qualquer uma das quatro primeiras fases da ereção impedindo com que você alcance ou mantenha a ereção. Embora dificuldades também possam ocorrer durante a quinta fase (detumescência), elas não são geralmente incluídas nas discussões sobre disfunção erétil.


Causas de Origem Psicológica

Entre as causas de origem psicológica podemos citar:

» Ansiedade

» Estresse

» Depressão

» Baixa auto-estima

» Cansaço (fadiga)

» Sentimento de culpa

» Ansiedade com relação ao desempenho (medo de falhar ou de não satisfazer a parceira)

» Preocupações (com dinheiro, contas a pagar, desemprego, instabilidade no trabalho, etc)

» Discórdias (brigas, discussões, etc) com a parceira

» Incidente prévio (anterior) de fracasso sexual causado por excesso de ingestão de álcool (bebedeira), cansaço, preocupação, nervosismo, sentimento de culpa, etc.

Causas de Origem Física

As causas físicas da disfunção erétil geralmente afetam uma fase particular no processo da ereção.

Entre as causas de origem física podemos citar:

» Diabetes

A diabetes é uma das causas mais comuns da disfunção erétil. Nervos ou vasos sanguíneos que controlam o fluxo de sangue para o pênis podem tornar-se permanentemente danificados em conseqüência do diabetes, podendo levar à disfunção erétil.

» Doença de Peyronie (curvatura peniana adquirida)

A doença de Peyronie (curvatura peniana) é caracterizada por uma curvatura no pênis durante a ereção, que pode atingir 90 graus ou mais tanto para cima, como para baixo ou para o lado, podendo estar associada ou não a dor durante as ereções. Desta forma, pode dificultar ou, até mesmo, impossibilitar o ato sexual. Associado à doença de Peyronie, poderá haver disfunção erétil em graus variáveis de intensidade em até 50% dos casos.

» Doenças Cardiovasculares

Problemas vasculares, tais como o endurecimento das artérias (arteriosclerose), pode tornar lento o fluxo de sangue dentro do pênis, o que torna difícil obter ou manter uma ereção.

Obs: Uma vez que isto afeta os vasos pequenos antes de afetar os vasos maiores, encontrando um problema de disfunção erétil poderia sinalizar a presença de uma doença cardiovascular.

Às vezes, as veias que mantêm o sangue no pênis durante uma ereção são danificadas e a ereção não é mantida tempo suficiente para que uma relação sexual ocorra.

» Problemas Hormonais

Algumas doenças, tais como insuficiência renal e doença hepática, podem perturbar o equilíbrio dos hormônios, os quais controlam as ereções. Baixos níveis de testosterona também pode ser um fator.


» Terapia com algumas drogas (remédios)

Estudos indicam que algumas drogas (remédios), incluindo algumas prescrições para pressão arterial alta, depressão e uma série de outras condições, podem causar disfunção erétil pela interferência com os impulsos nervosos ou fluxo de sangue para o pênis.

Importante: Medicamentos nunca devem ser alterados sem a permissão do seu médico. Fale com o seu médico sobre quaisquer preocupações que você tem em relação a potenciais efeitos da medicação com relação à disfunção erétil.

» Alcoolismo

O alcoolismo perturba os níveis hormonais e pode levar a danos permanentes do nervo, causando impotência sexual.


» Tabagismo (fumo)

O fumo pode levar a uma doença vascular ou outros problemas de saúde, que podem causar impotência sexual.

Cirurgia Reconstrutiva:

• Hipospadia.

• Estreitamento de uretra com utilização de enxertos.

• Reoperações de uretra.

• Reoperações de curvaturas penianas.

• Reoperações de implante de prótese peniana / troca de prótese peniana.


» Consumo de Drogas Ilícitas

O consumo de drogas ilícitas (maconha, cocaína, haxixe, crack, etc) acomete a parte sexual, provocando uma redução importante da parte circulatória na região peniana, podendo levar a problemas de ereção.


» Traumas no Corpo

Traumas no corpo podem resultar em disfunção erétil. Alguns desses traumas incluem:

- Fraturas pélvicas
- Lesões da medula espinhal
- Lesões Perineais
- Danos cerebrais


» Traumas Neurológicos

Traumas neurológicos podem causar disfunção erétil. Estes tipos de traumas incluem:

- Cirurgia nas Costas
- Lesões da medula espinhal
- Algumas malformações congênitas, como espinha bífida
- Tumores cerebrais e/ou aumento da pressão intracraniana
- Doença muscular, como esclerose múltipla


» Priapismo

Priapismo é uma ereção que dura mais tempo do que o normal e é causada por outras razões que não o desejo sexual. Caso uma ereção dure mais de quatro horas, pode causar lesão tecidual resultando em disfunção erétil. Causas de priapismo incluem:

- Doenças do sangue, como anemia falciforme e leucemia

- Medicamentos (orais e injetáveis) para a disfunção erétil impropriamente prescritos ou indevidamente utilizados.

Importante: Nestes casos, procure urgente um serviço de emergência mais próximo, afim de interromper a ereção e evitar a ocorrência de graves conseqüências para a função erétil do pênis.

» Cirurgias

Cirurgias que interrompem o fluxo sanguíneo ou comprometem os nervos que conduzem os estímulos responsáveis pela ereção podem resultar em disfunção erétil. Algumas destas cirurgias incluem:

- Prostatectomia Radical (retirada da próstata em caso de tumor)
- Cirurgias no Intestino que envolvem o reto e o períneo
- Cirurgias na bexiga ou uretra
- Cirurgias no feixe neurovascular ou próximo dele
- Cirurgias na Coluna


» Efeitos do Envelhecimento

Estima-se que 65% dos homens acima de 65 anos têm algum tipo de disfunção erétil. Estatisticamente, o número de homens que possuem este problema aumenta conforme a idade aumenta.

No entanto, a idade por si só não causa disfunção erétil. Mas é natural que os homens mais velhos são mais suscetíveis a terem doenças e realizarem tratamentos (como a cirurgia da próstata, em caso de tumor) que podem causar disfunção erétil.


Sinais da disfunção erétil

A disfunção erétil (impotência sexual) não é um problema que desaparece sozinho. Se suspeitar que tem o problema, é importante fazer uma consulta médica logo que o problema tornar-se aparente. Isso pode ajudar a evitar problemas psicológicos, os quais podem piorar a situação.

Pode também ajudá-lo a obter um tratamento para uma condição física subjacente grave (tais como diabetes ou doenças cardíacas), que possa primeiramente se tornar aparente com os sintomas da disfunção erétil.


Auto-teste

Não tem certeza se você tem disfunção erétil (impotência sexual)? Então experimente fazer este auto-teste. Se você responder "sim" a qualquer uma das seis primeiras perguntas, você deveria consultar um urologista que seja especializado no diagnóstico e tratamento deste problema.

Desempenho sexual atual

1. Você têm tido alguma dificuldade recentemente em atingir ereções?
2. Este problema ocorre, pelo menos, três em cada quatro vezes em que você tentou ter relações sexuais?

Tendências do desempenho sexual

3. Você está tendo dificuldade por um período superior a um mês em atingir ereções regularmente?
4. Ereções espontâneas e matinais são cada vez menos comuns?
5. É preciso muito mais tempo para conseguir uma ereção do que no passado?
6. Tem se tornado mais difícil ter relação sexual, em determinadas posições?

Histórico Médico

7. Você teve algum tipo de doença cardíaca, especialmente o endurecimento das artérias, doença arterial periférica (DAP) ou hipertensão?
8. Você já realizou alguma operação de doença cardíaca ou algum outro problema cardiovascular?
9. Você já teve um elevado nível de colesterol?
10. Você teve alguma experiência grave de dores nas pernas ao caminhar?
11. Você tem tomado algum medicamento para um problema cardiovascular, principalmente hipertensão? *
12. Você está tomando drogas sob prescrição médica para qualquer outro problema? *
13. Você tem algum distúrbio glandular, especialmente diabetes?
14. Você tem alguma doença neurológica, tais como esclerose múltipla ou epilepsia?
15. Já alguma vez realizou uma grande cirurgia na área pélvica, principalmente envolvendo a cirurgia da próstata ou cólon?
16. Alguma vez já teve uma lesão envolvendo a área pélvica, costas, medula espinal, ou cabeça?
17. Você já foi tratado com radioterapia para um problema na área pélvica?
18. Você já teve um episódio de priapismo (ereção persistente e dolorosa)?

Estilo de vida

19. Você fuma ou fumou durante um longo período de tempo?
20. Você bebe com frequência ou foi diagnosticado como um alcoólatra?
21. Você usou drogas ilícitas, especialmente cocaína?
22. Você é um usuário freqüente de medicamentos sem prescrição médica?
23. Você está obeso?

Fonte do auto-teste: Love Again, Live Again by Steven Morganstern, MD and Allen Abrahams, PhD (Prentice Hall 1988).

Efeitos da disfunção erétil

A Disfunção Erétil (impotência sexual) pode ter um efeito negativo profundo na sua qualidade de vida. Se você está sofrendo deste mal, saiba que ele pode destruir a sua autoconfiança e auto-estima. Você pode encontrar-se lutando contra uma série de emoções, de frustração e ansiedade à tristeza, raiva e isolamento, etc.

Um estudo importante de pacientes com disfunção erétil (de origem física/orgânica) constatou:

- Auto-estima dimunuída
- Autoconfiança diminuída
- Frustração aumentada
- Ansiedade aumentada
- Depressão aumentada

Um em cada quatro pacientes analisados relatou que a sua disfunção erétil (impotência sexual) foi um definitivo ou possível fator do rompimento do seu relacionamento.

Fonte do estudo: 1. Rosen RC, Seidman SN, Menza MA, Shabsigh R, Roose SP, Tseng LJ, Orazem J, Siegel RL. Qualidade de vida, humor, e função sexual: um modelo analítico dos efeitos do tratamento em homens com disfunção erétil e sintomas depressivos. Int J Impotence Research Agosto 2004 / 16 (4) p.334-40.

A disfunção erétil não é apenas um problema do homem. Ele também pode ter impacto significativo sobre o seu relacionamento com a parceira. Se você for como a maioria dos homens, você pode ter dificuldades em falar sobre o problema, o que pode levar a problemas sérios de comunicação entre você e sua parceira. Na pior das hipóteses, a comunicação pode vir a um impasse. Ambos os parceiros podem expressar sentimentos negativos e ressentimentos. Pode até haver um relacionamento com uma outra pessoa para ver se as "coisas serão melhores". O resultado final pode ser a separação e até mesmo o divórcio.

Não justifica chegar a este ponto, pois há opções de tratamento para a disfunção erétil.
A dificuldade para iniciar o tratamento adequado é o grande obstáculo a ser vencido. Portanto, conhecer o problema, vencer o medo e a vergonha e procurar ajuda médica especializada para o tratamento adequado são os principais fatores que o levarão à solução dos seus problemas.


O importante papel da parceira na solução do problema

A disfunção erétil (impotência sexual) é uma circunstância frustrante que afeta não somente o indivíduo, mas também a parceira, a família, desempenho no trabalho, relacionamento interpessoal, etc. Em muitos casos, acabam comprometendo seus relacionamentos, deixando de usufruir de uma vida sexual saudável e feliz, com qualidade de vida.

O homem que tem o problema costuma ficar fragilizado, deprimido, negativista, com baixa auto-estima, baixa autoconfiança, etc. Com todo este peso psicológico que envolve o problema, muitos acabam se fechando e não buscando ajuda médica especializada. A parceira tem um papel fundamental, procurando entender o problema, mostrando companheirismo, apoiando, dialogando e encorajando seu parceiro na busca da solução do problema.

Em meu consultório, recebo muitos pacientes em que foi a própria parceira quem pesquisou sobre o problema e ajuda médica especializada, entrou em contato com a clínica, agendou a consulta e trouxe o parceiro para avaliação e tratamento.

Aproveito a oportunidade para elogiar a atitude destas parceiras, que ajudam seus parceiros na batalha contra este problema que arrasa o homem. São atitudes elogiáveis que salvam relacionamentos, famílias, carreiras profissionais, empregos e até vidas.

Câncer de Próstata e Disfunção Erétil (Impotência Sexual)

Uma das complicações mais sérias e mais comuns do tratamento cirúrgico do câncer de próstata é a disfunção erétil (impotência sexual), em maior ou menor grau.

Para disfunção erétil (impotência sexual) existem vários tipos de tratamentos, dependendo da causa. Cada um dos diversos tipos de tratamento tem indicação precisa e deve ser selecionado por um médico, para evitar risco de complicações.

Para as causas de origem orgânica (física) como esta, os tratamentos clínicos podem ser por meio de medicações de uso oral (comprimidos), de auto-injeções no pênis, de uso intra-uretral e vácuo. E, para os casos que não apresentem resultados satisfatórios com os métodos de tratamentos clínicos ou não se adaptem a estes tratamentos, existe a opção do implante de prótese peniana (maleável ou inflável), que é um procedimento seguro e eficiente, com alto índice de satisfação do casal que chega a 96% / 97%.

É um procedimento seguro e eficiente. As cirurgias, na maioria das vezes, são realizadas com anestesia local e sedação (para o paciente dormir durante o procedimento - como se fosse uma endoscopia), além de serem minimamente invasivas e de rápida recuperação. A alta pode ser no mesmo dia ou no dia seguinte e o paciente já poderá voltar às atividades normais (trabalhar, estudar, etc), exceto atividades físicas (por cerca de um mês).

Se o caso for realmente de indicação de implante de prótese peniana, existem vários tipos de próteses disponíveis e a escolha do tipo deve incluir algumas considerações como condição médica, estilo de vida, preferência pessoal e custos. Por isso, uma avaliação criteriosa é fundamental para sabermos qual o melhor tipo de prótese para o seu caso.

Lembrando que a taxa de sucesso no implante de prótese peniana, principalmente no caso das próteses infláveis, está intimamente ligada à experiência e habilidade do profissional médico-cirurgião nestes tipos de cirurgias.

Para que o caso seja melhor avaliado faz-se necessário um exame no consultório. Uma avaliação criteriosa é fundamental para melhor diagnóstico do seu problema e, consequentemente, definição do melhor tratamento.

Relação entre Câncer de Próstata, Impotência Sexual e Doença de Peyronie

Uma das complicações mais sérias e mais comuns do tratamento cirúrgico do câncer de próstata é a disfunção erétil (impotência sexual), em maior ou menor grau.

Uma das maiores causas da doença de Peyronie (deformidade peniana, geralmente em forma de curvatura e/ou afinamento do pênis) seria por problemas de ereção (disfunção erétil ou impotência sexual) que facilitam traumas e/ou microtraumas no pênis durante a relação sexual, causando fibroses e deformidades no pênis (como curvatura, afinamento, redução de tamanho).

Cerca de 50 a 60% dos homens que fazem o tratamento cirúrgico do câncer de próstata ficam com algum grau de disfunção erétil (impotência sexual) e cerca de 10% acabam também por desenvolver a doença de Peyronie.

A fase inicial da doença de Peyronie, chamada de fase inflamatória, tem duração de aproximadamente 12 meses. Nesta fase que irão ocorrer alterações da deformidade peniana adquirida. Também nesta fase que se faz tratamentos com medicamentos, visando evitar piora da deformidade ou até melhorando a mesma.

Após esta fase, teremos a fase cicatricial definitiva, onde a doença ficará estável sem piora ou melhora. Nesta fase, dependendo da deformidade peniana, é que será decidido por uma correção cirúrgica, se for o caso.

Caso tenha pelo menos 3 a 6 meses sem alteração da curvatura, a doença estará na fase de estabilidade e não deverá piorar. Nesta fase, não adianta manter uso de medicamentos para a solução da deformidade peniana.

É possível corrigir a curvatura peniana.
As técnicas cirúrgicas anteriores levam à diminuição do pênis, pois diminui o tamanho do lado longo do pênis até deixá-lo do tamanho do lado curto.
Com a técnica cirúrgica desenvolvida por mim (reconhecida internacionalmente), alongando-se o lado curto do pênis até deixá-lo do tamanho do lado longo, consegue-se o máximo possível de recuperação do tamanho peniano em um procedimento cirúrgico reconstrutivo de curvatura peniana.

É possível corrigir com anestesia local e sedação (para dormir durante o procedimento), com possibilidade de alta do hospital até no mesmo dia.O retorno às atividades normais (trabalho e/ou estudo), exceto atividades físicas, tem sido possível na maioria dos casos em 1 a 2 dias.
O pós-operatório é tranqüilo com analgésicos comuns. Para retorno às relações sexuais é necessário esperar de 4 a 6 semanas.

Quando o paciente apresenta disfunção erétil(problemas de ereção)associada ao problema da curvatura peniana, a disfunção erétil pode ser tratada e, se tiver boa resposta aos medicamentos, poderá então ser feita somente a cirurgia da correção da curvatura peniana.

Evito, ao máximo, o implante da prótese peniana. A prótese peniana é indicada quando o paciente tem problema de ereção associado à curvatura peniana, não responsiva aos tratamentos clínicos convencionais ou caso o exame antes da cirurgia comprove problemas vasculares severos no pênis.
Nos casos que tenham indicação para implante de prótese, tenho o grande diferencial de fazer a correção da curvatura peniana e o implante da prótese durante a mesma cirurgia. Através de minha técnica cirúrgica, a correção da curvatura será feita possibilitando o máximo possível de recuperação do tamanho peniano em um procedimento reconstrutivo de curvatura. E aí então, na mesma cirurgia, será feito o implante da prótese com o maior tamanho de prótese possível para o caso. Somente o implante da prótese, sem a correção da curvatura com o alongamento do lado curto do pênis, não possibilitaria este ganho. Este é um grande diferencial, com o emprego de minha técnica cirúrgica, recuperando o máximo possível de tamanho peniano antes do implante da prótese.

A correção da curvatura e do implante da prótese é através de uma cirurgia que geralmente é possível dar alta do hospital até no mesmo dia. O retorno às atividades normais (trabalho e/ou estudo), exceto atividades físicas, tem sido possível na maioria dos casos em 1 a 2 dias.

O pós-operatório é tranqüilo com analgésicos comuns. Para retorno às relações sexuais é necessário esperar de 4 a 6 semanas.

Para que seu caso seja melhor avaliado faz-se necessário um exame criterioso no consultório. Uma avaliação é fundamental para melhor diagnóstico do seu problema e, consequentemente, o melhor tratamento.

A taxa de sucesso na correção do problema está diretamente ligada a um bom diagnóstico, com a avaliação do problema em todas as suas dimensões. É de grande importância a experiência do médico acerca do assunto, tanto para se chegar ao melhor diagnóstico, quanto para indicar e realizar o melhor tratamento.

Recebo pacientes de todas as partes do Brasil e também do exterior com este problema.

Tratamentos para disfunção erétil (impotência sexual)

As causas da disfunção erétil (impotência sexual) podem ser de ordem psicológica e/ou física (orgânica).

Existem vários tipos de tratamento, dependendo da causa.

Cada um dos diversos tipos de tratamento tem indicação precisa e deve ser selecionado por um médico, para evitar risco de complicações.

Causas de Origem Psicológica

Para as causas de origem psicológica, é fundamental a realização de psicoterapia ou terapia comportamental. O apoio da parceira e o diálogo entre o casal são essenciais para o sucesso de qualquer desses tratamentos.

Causas de Origem Orgânica (Física)

Para as causas de origem orgânica, os tratamentos podem ser clínicos ou cirúrgicos.

Tratamentos Clínicos

Os tratamentos clínicos podem ser por meio de medicações de uso oral (comprimidos), de auto-injeções no pênis, de uso intra-uretral e vácuo.

Medicações de uso oral

Primeiramente, os tratamentos não invasivos para o tratamento da disfunção erétil incluem medicação oral (como Cialis®, Viagra® e Levitra®). Essas medicações melhoram o fluxo sanguíneo para o pênis, trabalhando diretamente com os vasos sanguíneos.

Eles permitem que as artérias se expandam, visando produzir uma ereção. Estas pílulas são geralmente tomadas cerca de uma hora antes da atividade sexual, e devem ser combinadas com estimulação sexual para proporcionar uma ereção.

Bombas de vácuo

Terapia com bomba de vácuo pode ser prescrita como um tratamento não invasivo. Quando uma ereção é desejada, o dispositivo vácuo constrição é colocado sobre o pênis. Pela retirada do ar, é criado um vácuo, melhorando mecanicamente o fluxo de sangue para o pênis. Um anel de borracha é colocado ao redor da base do pênis ereto mantendo a ereção.

Bombas de vácuo não são prescritas para doentes que têm hemorragias, anemia falciforme ou estão usando anti-coagulantes.

Medicações de uso intra-uretral

Usando um aplicador, o paciente insere a medicação na abertura da uretra, na extremidade do pênis. A medicação é absorvida pelo tecido erétil circundante, causando assim o relaxamento dos vasos sangüíneos para o pênis, que se enche com sangue e torna-se ereto.

Medicações auto-injetáveis (auto-injeções no pênis)

O paciente ou a sua parceira utiliza uma agulha para injetar a medicação diretamente na base do pênis. O relaxamento do tecido muscular liso permite o fluxo sanguíneo para o pênis, criando uma ereção.

Pelo fato desta terapia ser às vezes desconfortável, estudos demonstram que muitos homens interrompem o uso dentro de 1 ano.

Tratamentos Cirúrgicos

Implantes de próteses penianas

Para os casos de pacientes com disfunção erétil de origem orgânica (física) que não se adaptem ou não apresentem resultados satisfatórios com os métodos de tratamentos clínicos, existe ainda reservado para estes casos a opção do implante de prótese peniana (maleável, articulável ou inflável), que é um procedimento seguro e eficiente, com alto índice de satisfação do casal.

O implante da prótese peniana é feito internamente, não ficando nada aparente externamente. E também não há alteração na vida sexual do homem em relação a libido, desejo, ejaculação, orgasmo. A função da prótese peniana é proporcionar uma rigidez adequada ao pênis para a realização da atividade sexual.

É um procedimento seguro e eficiente. As cirurgias, na maioria das vezes, são realizadas com anestesia local e sedação (para o paciente dormir durante o procedimento - como se fosse uma endoscopia), além de serem minimamente invasivas e de rápida recuperação. A alta pode ser no mesmo dia ou no dia seguinte e o paciente já poderá voltar às atividades normais (trabalhar, estudar, etc), exceto atividades físicas (por cerca de um mês).

A taxa de sucesso no implante de prótese peniana, principalmente no caso das próteses infláveis, está intimamente ligada à experiência e habilidade do profissional médico-cirurgião nestes tipos de cirurgias.

Dr. Paulo Egydio é um especialista de reconhecimento internacional, com grande experiência em implantes de próteses penianas (de todos os tipos) e reconstruções penianas, inclusive com experiência adquirida no exterior (nos Estados Unidos) em sua especialização no "Center for Sexual Function - Cleveland Clinic Foundation - USA", um dos centros urológicos de maior reconhecimento internacional.

Dr. Paulo Egydio já realizou mais de 2.000 cirurgias de implantes de próteses penianas, de todos os tipos, em pacientes de todas as partes do Brasil e também do exterior, inclusive casos mais complexos e diferenciados envolvendo reconstruções penianas.

Para aqueles que residem fora de São Paulo (outra cidade/estado/país) e precisam fazer tudo numa só viagem (redução de custos, não faltar ao trabalho, sigilo, etc), marcamos uma consulta e deixamos uma cirurgia pré-agendada para o mesmo dia ou dia seguinte. Caso na consulta e avaliação seja diagnosticado que o problema tem indicação de implante de prótese peniana, a cirurgia poderá será realizada.

Tipos de Próteses Penianas

O implante de prótese peniana é um procedimento cirúrgico seguro e eficiente, com alto índice de satisfação do casal, onde são colocadas estruturas cilíndricas de silicone no interior dos corpos cavernosos do pênis, de modo a proporcionar um estado de rigidez peniana adequado para a atividade sexual.

A escolha do tipo de prótese deve incluir algumas considerações, como:

- Condição médica
- Estilo de vida
- Preferência pessoal
- Custos

Existem vários tipos de próteses penianas:

- Maleáveis (semi-rígidas)
- Articuláveis 
- Infláveis de 2 volumes
- Infláveis de 3 volumes


Maleáveis (semi-rígidas)

As Próteses Penianas Maleáveis são constituídas por filamentos de uma liga metálica envolvidos por silicone biocompatível, permitindo uma rigidez e maleabilidade satisfatória do pênis, de modo que o pênis possa permanecer para baixo ou para o lado (na posição "normal") ou na posição adequada para o ato sexual.

Pelo fato de ficarem em estado semi-rígido de forma contínua, há uma certa dificuldade ocasional em ocultá-la em certas ocasiões, como por exemplo, no uso de sunga em piscinas e praias.

Articuláveis

Este é mais um tipo de prótese à disposição para o tratamento da disfunção erétil não responsiva a tratamentos clínicos. O implante peniano articulável oferece aos pacientes um pouco mais de facilidade de posicionamento e ocultação do que o maleável, mas ao mesmo tempo possui um custo bem maior.

Infláveis

As próteses penianas infláveis disponíveis no mercado são as mais reconhecidas no mundo, das empresas americanas AMS e Coloplast, fabricadas nos Estados Unidos sob rigoroso controle de qualidade.


Infláveis de 2 Volumes

As Próteses Penianas Infláveis de 2 Volumes são constituídas por dois cilindros infláveis conectados a um reservatório, que possui um dispositivo para o funcionamento da prótese. Neste tipo de prótese, o dispositivo ("bombinha")/reservatório poderá ser acomodado em qualquer ponto da bolsa escrotal.

Os cilindros de silicone biocompatíveis implantados no interior dos corpos cavernosos do pênis são preenchidos com líquido para produzir a ereção. Após o ato sexual, utiliza-se uma manobra pressionando o pênis para baixo por alguns segundos para o retorno do liquido à "bomba", retomando a flacidez. A prótese é um "sistema hidráulico" implantado cirurgicamente, não ficando nada aparente. Quando uma ereção é requerida, basta apertar o dispositivo implantado no escroto.

A maior vantagem dessas próteses é a aparência (que fica natural aos olhos, dificultando que a percebam). Proporciona excelente rigidez.

Prótese Inflável AMS Ambicor

Infláveis de 3 Volumes

As Próteses Penianas Infláveis de 3 Volumes são constituídas por dois cilindros infláveis conectados a um dispositivo ("bombinha") e a um "reservatório". Neste tipo de prótese o dispositivo ("bombinha") poderá ser acomodado em qualquer ponto da bolsa escrotal. Os cilindros de silicone biocompatíveis implantados no interior dos corpos cavernosos do pênis são preenchidos com líquido para produzir a ereção. Após o ato sexual utiliza-se uma manobra de apertar o dispositivo implantado na bolsa escrotal para o retorno do líquido ao reservatório, retomando a flacidez. A prótese é um "sistema hidráulico" implantado cirurgicamente, não ficando nada aparente. Quando uma ereção é requerida, basta ativar o sistema apertando-se um dispositivo implantado no escroto.

A grande vantagem dessas próteses é a aparência, que fica natural aos olhos, de forma que dificilmente alguém a perceba. São as que deixam o pênis mais próximo do "natural" quando em estado flácido, sendo as menos perceptíveis de todas as próteses. Proporciona excelente rigidez.

COLOPLAST (Coloplast Titan OTR e Coloplast Titan Narrow-Base)

 

Coloplast Titan OTR

Prótese inflável de 3 volumes com dispositivo especial de "poros" para penetração de antibióticos, que apresenta uma segurança a mais minimizando o risco infeccioso, principalmente para casos de pacientes diabéticos e de pacientes com doenças que levam à baixa resistência do organismo.

Possui um exlusivo revestimento "Resist" (de Polivinilpirrolidona – PVP), que associado ao "Bioflex" (material muito durável, resistente e menos propenso a formações aneurismáticas), absorve e difunde os antibióticos da escolha do cirurgião, reduzindo a fixação de bactérias na superfície da prótese e aumentando a resistência às infecções.

Este modelo possui ainda um dispositivo especial de válvula "Lockout" que evita o refluxo e a possibilidade do insuflar involuntário dos cilindros.

Novo Sistema OTR ("ONE TOUCH RELEASE"), que traduzindo significa "único toque para desinflar" (bastando um simples aperto num botão especial desenvolvido para isso), permitindo maior praticidade e conforto ao paciente após a realização do ato sexual.

 

Coloplast Titan Narrow-Base

Prótese peniana inflável de 3 volumes com dispositivo especial de "poros" para penetração de antibióticos, que apresenta uma segurança a mais minimizando o risco infeccioso, principalmente para casos de pacientes diabéticos e de pacientes com doenças que levam à baixa resistência do organismo.

Possui um exlusivo revestimento "Resist" (de Polivinilpirrolidona – PVP), que associado ao "Bioflex" (material muito durável, resistente e menos propenso a formações aneurismáticas), absorve e difunde os antibióticos da escolha do cirurgião, reduzindo a fixação de bactérias na superfície da prótese e aumentando a resistência às infecções.

Este modelo possui ainda um dispositivo especial de válvula "Lockout" que evita o refluxo e a possibilidade do insuflar involuntário dos cilindros.

A diferença para a prótese Coloplast Titan é que a Coloplast Titan Narrow-Base possui cilindros com diâmetro pouco menores, para casos selecionados de pacientes com cicatrizes, fibroses e/ou estenoses no pênis e/ou casos de pênis com diâmetros menores dos corpos cavernosos, que justifiquem utilizar este modelo.

3 Volumes AMS Série 700 (AMS 700 CX, AMS 700 CX com Inhibizone, AMS 700 CXR com Inhibizone e AMS 700 LGX com Inhibizone)

 

AMS 700 CX

Os cilindros das próteses infláveis AMS são feitos de silicone biocompatível. Apresentam um tratamento de superfície com uma especial redução do desgaste do revestimento "Parylene" que aumenta a confiabilidade e durabilidade dos cilindros.

AMS 700 CX com Inhibizone

A prótese peniana inflável de 3 volumes AMS 700 CX também é disponibilizada com revestimento de "Inhibizone" (associação de antibióticos).

Ela é idêntica à sem o revestimento de antibióticos, porém apresenta uma segurança a mais com relação ao risco de infecção, principalmente para casos de pacientes diabéticos e de pacientes com doenças que levam à baixa resistência do organismo.

AMS 700 CX com Inhibizone

A prótese peniana inflável de 3 volumes AMS 700 CXR é praticamente idêntica à 700 CX, com a diferença de que possui cilindros com diâmetro pouco menores, para casos selecionados de pacientes com cicatrizes, fibroses e/ou estenoses no pênis e/ou casos de pênis com diâmetros menores dos corpos cavernosos, que justifiquem utilizar este modelo.

Este modelo é disponibilizado no Brasil somente com revestimento de "Inhibizone" (associação de antibióticos), apresentando uma segurança a mais com relação ao risco de infecção, principalmente para casos de pacientes diabéticos e de pacientes com doenças que levam à baixa resistência do organismo.

 

AMS 700 LGX com Inhibizone

A prótese Inflável de 3 volumes também é disponibilizada no modelo "LGX" ("Length and Girth Gain", que traduzindo significa "Ganho em Comprimento e Diâmetro").

Este modelo possibilita o ganho tanto no comprimento quanto no calibre (diâmetro) dos cilindros da prótese, possibilitando que eles aumentem em até 20% quando a prótese é insuflada, segundo informações da própria empresa fabricante da prótese.

Este tipo de prótese peniana é disponibilizada com o novo sistema "Momentary Squeeze", que facilita o ato de desinsuflar a prótese, bastando um simples aperto num botão especial desenvolvido para isso.

Para o Brasil, este modelo é disponibilizado somente com "Inhibizone" (revestimento de antibióticos), sendo uma segurança a mais para minimizar o risco infeccioso, principalmente para casos de pacientes diabéticos e de pacientes com doenças que levam à baixa resistência do organismo.

Considerações importantes sobre a escolha do tipo de prótese

Importante frisar que a escolha do tipo de prótese deve incluir algumas considerações, como condição médica, estilo de vida, preferência pessoal e custos.

Muitos pacientes questionam se a prótese de maior custo seria a melhor. A escolha do tipo de prótese deve incluir várias considerações, ou seja, não somente o custo, mas também condição médica, estilo de vida e preferência pessoal, como descrito acima. Não quer dizer que a prótese de maior custo é necessariamente a melhor para o paciente. É uma questão bem relativa a escolha do tipo de prótese para cada caso.

Temos pacientes com boa condição financeira que acabam optando pela prótese maleável por ser mais prática e não exigir habilidades manuais para manuseá-la. Assim como também temos pacientes que não têm muitas condições financeiras, mas fazem um esforço para implantar o modelo inflável por questão de discrição - maior naturalidade aos olhos em estado flácido (geralmente pacientes com menos idade têm esta preocupação), de rigidez ou por problemas orgânicos de enchimento de sangue no pênis (disfunção venoclusiva importante) em que a prótese maleável não resolveria satisfatoriamente o problema.


Troca de Próteses Maleáveis por Infláveis

É possível a troca de uma prótese maleável por uma inflável. É um procedimento relativamente simples, com alta até no mesmo dia. Uma avaliação é fundamental. A troca costuma se dar em algumas situações:

» Quando o paciente implantou uma prótese maleável e, com o passar do tempo, devido à problemas orgânicos (ex: arteriais, venosos, neurológicos), acaba diminuindo o enchimento sanguíneo no pênis e, por consequência, mantendo um pênis fino. Nestas situações, pode-se trocar a prótese maleável por uma inflável para melhorar a qualidade da rigidez e calibre do pênis, além de dar uma flacidez (maior naturalidade e discrição) ao pênis quando desinsuflada.

» Quando o paciente implantou uma prótese maleável e, com o passar do tempo, percebe que não é exatamente o que queria (por questão de discrição, rigidez, etc) e deseja substituí-la por uma inflável.

» Quando o paciente gostaria de ter implantado uma prótese inflável e acabou implantando uma prótese maleável por questão de custo e, com o passar do tempo, estando melhor financeiramente, decide trocá-la por uma inflável.

Casos diferenciados

Dr. Paulo Egydio tem sido referência em reconstruções penianas e implantes de próteses penianas, inclusive para casos mais complexos (complicados) e diferenciados, que são freqüentemente indicados por profissionais médicos e centros urológicos nacionais e internacionais. Algumas situações de casos diferenciados:

» Quando o paciente implantou uma prótese peniana com um profissional médico que não tinha experiência em implantes de próteses penianas, principalmente os modelos infláveis, e precisa fazer uma nova cirurgia para reimplante de prótese (ex: próteses de tamanhos incorretos, próteses implantadas incorretamente, comprometimento dos corpos cavernosos, etc).

» Casos de pacientes com doença de Peyronie (curvatura peniana adquirida), com deformação importante do pênis e o profissional médico implantou a prótese peniana sem corrigir a deformidade.

» Casos de reimplantes de próteses penianas que necessitam de experiência em reconstruções penianas para poder implantar os cilindros novamente.

Casos em que houve redução do tamanho do pênis por traumas/fibroses no pênis ("doença de Peyronie")

Cirurgia de alongamento da face curta do pênis ("Técnica de Egydio"), objetivando a máxima recuperação possível do tamanho do pênis.

A doença de Peyronie, conhecida também como deformidade peniana adquirida, pode se manifestar através de curvatura, afinamento e redução do tamanho do pênis, provocadas por traumas/fibroses no pênis.

A redução do tamanho do pênis será tão mais acentuada, dependendo da localização e extensão do problema.

A curvatura e/ou perda de tamanho do pênis ocorre porque uma membrana (chamada de túnica) com menor elasticidade do que deveria ter provoca o seu repuxamento (retração).


As técnicas cirúrgicas anteriores empregadas para a correção da curvatura no pênis levavam à diminuição do pênis, pois se retirava parte da membrana da face longa do pênis curvo até igualá-la à curta (reduzindo o lado longo do penis torto até deixá-lo do tamanho do lado curto). Assim, resolvia-se um grande problema, porém o paciente não ficava satisfeito pelo motivo da redução do tamanho do pênis.

A técnica cirúrgica desenvolvida pelo Dr. Paulo Egydio (conhecida internacionalmente como "Egydio´s Procedure" ou "Técnica de Egydio") possibilita o alongamento do lado curto do pênis torto até deixá-lo do tamanho do lado longo. Com esta técnica consegue-se o máximo possível em tamanho peniano em um procedimento cirúrgico reconstrutivo de correção de curvatura peniana.

Esta técnica consiste em se fazer uma secção na membrana (túnica), cuja forma muda para cada caso em particular, a fim de eliminar o repuxamento peniano. Nestes casos a membrana encontra-se menor do que deveria ser. Ao colocarmos o pênis na posição reta, ficará faltando uma parte da membrana, o que é corrigido com a colocação de um enxerto que permite que a túnica "cresça" novamente, envolvendo-o. Este enxerto é feito com uma membrana já pronta, que não provoca rejeição, o que evita mais uma cirurgia para sua obtenção.

O Dr. Paulo Egydio utiliza esta técnica cirúrgica, de amplo reconhecimento internacional, desde 1998, com grande sucesso e satisfação dos pacientes, permitindo que inúmeros jovens e adultos tenham um desempenho sexual normal. Esta técnica possibilita a correção de diferentes tipos de curvatura e afinamento no pênis.

Há casos em que a própria doença leva à diminuição da elasticidade do pênis como um todo, sendo um lado mais do que o outro. Nestes casos, com o emprego das técnicas cirúrgicas anteriores (diminuindo o lado longo até deixá-lo do tamanho do lado curto) a diminuição será ainda maior, ou seja, a própria diminuição do pênis como um todo ocasionada pela própria doença e ainda a diminuição provocada pelo emprego das técnicas cirúrgicas anteriores que levam à diminuição.

Com a técnica desenvolvida pelo Dr. Paulo Egydio, alongando-se o lado curto do pênis até deixá-lo do tamanho do lado longo, consegue-se o máximo possível de recuperação do tamanho peniano em um procedimento cirúrgico reconstrutivo de correção de curvatura no pênis, podendo em alguns casos alongar inclusive o lado longo através da "secção" circular da túnica e alongar o pênis no limite do feixe de nervos e vasos.

A mesma cirurgia também pode ser empregada na curvatura peniana nos jovens (pênis curvo do jovem).

A taxa de sucesso no tratamento destes casos está diretamente ligada a um bom diagnóstico, com a avaliação do problema em todas as suas dimensões. É de grande importância a experiência do médico acerca do assunto, tanto para se chegar ao melhor diagnóstico, quanto para indicar e realizar o melhor tratamento, que deverá ser individualizado para cada paciente. Recebo pacientes de todas as partes do Brasil e também do exterior com este problema.


Os diferenciais e vantagens desta cirurgia

» O procedimento é seguro e com desconforto mínimo.

» Possibilita uma rápida recuperação. É possível corrigir com anestesia local e sedação (para dormir durante o procedimento), com possibilidade de alta do hospital até no mesmo dia dependendo do horário da cirurgia. O retorno às atividades habituais (trabalho e/ou estudo), exceto atividades físicas, tem sido possível na maioria dos casos em 1 a 2 dias.

» Com a técnica desenvolvida pelo Dr. Paulo Egydio ("Técnica de Egydio"), alongando-se o lado curto do pênis torto até deixá-lo do tamanho do lado longo, consegue-se o máximo possível de recuperação do tamanho peniano em um procedimento cirúrgico reconstrutivo de correção de curvatura peniana.

» A cicatriz é discreta, semelhante à da fimose. O Dr. Paulo Egydio utiliza fio transparente e absorvível para o fechamento, com sutura semelhante à da cirurgia plástica, não necessitando a retirada dos pontos.

» Quando o paciente apresenta disfunção erétil (impotência sexual), esta pode ser tratada e, se tiver boa resposta aos medicamentos, poderá então ser feita somente a cirurgia da correção da curvatura peniana.

» O Dr. Paulo Egydio evita, ao máximo, o implante da prótese peniana. A prótese peniana é indicada quando o paciente tem problema de ereção associado à curvatura peniana, não responsiva aos tratamentos clínicos convencionais ou caso o exame antes da cirurgia comprove problemas vasculares severos no pênis.

» Nos casos que tenham indicação para implante de prótese peniana, o Dr. Paulo Egydio tem o grande diferencial de fazer a correção da curvatura peniana e o implante da prótese peniana durante a mesma cirurgia. Através de sua técnica cirúrgica a correção da curvatura será feita possibilitando o máximo possível de recuperação do tamanho peniano em um procedimento reconstrutivo de curvatura peniana e aí então, na mesma cirurgia, será feito o implante da prótese peniana com o maior tamanho de prótese peniana possível para o caso.

Somente o implante da prótese peniana, sem a correção da curvatura com o alongamento do lado curto do pênis, não possibilitaria este ganho de tamanho de pênis. Este é um grande diferencial, com o emprego da técnica cirúrgica do Dr. Paulo Egydio ("Técnica de Egydio"), recuperando o máximo possível de tamanho peniano antes do implante da prótese peniana.


Casos complicados de doença de Peyronie com severo encurtamento e afinamento do pênis e disfunção erétil, com ou sem curvatura peniana

OBS: esta técnica cirúrgica também pode ser aplicada em casos selecionados de hipospádia, epispádia e pós cirurgia de prostatectomia radical (retirada da próstata como tratamento de câncer de próstata).

"Técnica Cirúrgica de Egydio" com Utilização de Enxerto Circular, objetivando o ganho máximo de comprimento e diâmetro do pênis.

Em casos diferenciados e complicados de doença de Peyronie associada a severo encurtamento e afinamento do pênis e disfunção erétil, como tratamento para estes casos, quando tiver indicação, podem ser associados a reconstrução peniana com a colocação de prótese peniana, com os objetivos de restaurar o máximo possível do comprimento e diâmetro do pênis, que foi perdido devido a doença, preservando a sensibilidade da glande e orgasmo.

Com a técnica desenvolvida pelo Dr. Paulo Egydio ("Técnica de Egydio"), através de incisão geometricamente determinada na túnica albugínea, alongando-se o lado curto do pênis até deixá-lo do tamanho do lado longo, consegue-se o máximo possível de recuperação do tamanho do pênis em um procedimento cirúrgico reconstrutivo desta natureza, mas mesmo assim pode não ser suficiente para o ganho do máximo de comprimento possível, especialmente quando o lado mais longo do pênis também foi reduzido pela fibrose difusa na túnica.

Nestes casos, o Dr. Paulo Egydio faz uma incisão circular na túnica albugínea permitindo a restauração e ganho do máximo possível do comprimento do pênis, limitada pelo tamanho máximo do feixe neurovascular dissecado.

Esta técnica pode ser utilizada mesmo em casos em que há somente o encurtamento do pênis, sem a curvatura. A inserção de um enxerto é necessária para o aumento do diâmetro e comprimento do pênis.

Com grande experiência nestes tipos de casos, o Dr. Paulo Egydio faz a reconstrução total da túnica, circular e longitudinalmente, objetivando um ganho de comprimento máximo possível e restauração do diâmetro do pênis.

Esta técnica é muito eficaz para reconstruções extensivas do eixo do pênis para corrigir severo encurtamento e afinamento do pênis, resultando em ganho de comprimento máximo do pênis e restauração do contorno corporal e diâmetro, independentemente das características da placa fibrótica formada devido ao trauma peniano e/ou fibroses (cicatrizes internas).

A restauração do comprimento e do diâmetro do pênis é muito importante para a auto-estima e satisfação do paciente.

Esta técnica de incisão única, aplicando os princípios geométricos ("Técnica de Egydio"), é um procedimento padronizado para a correção de diferentes tipos de curvatura peniana, associada ou não com o afinamento da túnica albugínea, proporcionando o ganho máximo do comprimento e restauração do diâmetro do pênis.

A taxa de sucesso no tratamento destes casos está diretamente ligada a um bom diagnóstico, com a avaliação do problema em todas as suas dimensões. É de grande importância a experiência do médico acerca do assunto, tanto para se chegar ao melhor diagnóstico, quanto para indicar e realizar o melhor tratamento, que deverá ser individualizado para cada paciente.

Recebo pacientes de todas as partes do Brasil e também do exterior com este problema.

AGENDAMENTO DE CONSULTAS

11-3077-3647

11-98330-0227

Clique aqui para falar conosco.